O que foi o Index Librorum Prohibitorum?

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

alte Buch-clipart

As várias formas de censura já existem há milhares de anos, estando presentes em muitos eventos em nossa história, mas você sabe que vários livros já foram proibidos aos católicos?? Esse foi o Index Librorum Prohibitorum ou o Índice dos Livros Proibidos que era elaborado pelo Vaticano. Mas você sabe o que era esse índice ou quais livros ele proibia?

O Index Librorum Prohibitorum era uma lista que reunia todas as publicações literárias que a Igreja Católica não aprovava e não aceitava que fossem lidas por seus fiéis. Foi criado e publicado pela primeira vez pelo papa Paulo IV, em 1559. O principal objetivo da lista era a reação contra o avanço do protestantismo, sendo que sua criação se deu durante o concílio de Trento. Em geral, era contrário à publicação de livros que iam contra os dogmas do catolicismo, mas também considerava outros temas como impróprios e proibia a sua publicação. A escolha dos livros que pertenceriam a lista era feita pelo papa ou pelo Santo Ofício.

index

Quando um livro era proibido, seu autor poderia suprimir as partes que eram consideradas impróprias ou mesmo defender a sua obra perante o Vaticano. Entre os autores que estiveram na lista, podemos citar: Galileu Galilei, Dante Alighieri, Nicolau Copérnico, Giordano Bruno, Honore de Balzac, Voltaire, Blaise Pascal, John Locke, Montesquieu, Descartes, Emile Zola e Daniel Dafoe. A maioria dos autores possuíam apenas uma obra na lista, mas haviam outros que tinham todas as suas obras proibidas.

Em alguns reinos católicos da Europa, as leis de proibição dos livros eram cumpridas ao extremo, na Espanha, por exemplo, durante o reinado de Carlos V, entre os anos de 1520 e 1550, quem possuísse, comprasse ou vendesse as obras proibidas, podia até ser condenado à morte. O Index Librorum Prohibitorum teve 32 edições, a última foi publicada em 1948, sendo que só foi abolido no ano de 1966 pelo papa Paulo VI, devido a inúmeras críticas internas de setores do próprio Vaticano.

Até a próxima!!

Fontes: Guia do Estudante, DW, Super Interessante