O homem que sobreviveu aos dois ataques nucleares

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 Email 0 0 Flares ×

Tsutomu-Yamaguchi

Em agosto de 1945, as cidades de Hiroshima e Nagasaki tornaram-se o inferno com as duas bombas nucleares lançadas pelos norte-americanos que dizimaram a vida de milhares de pessoas. O impressionante do caso que vamos contar hoje é que existiram pessoas que estiveram nas duas cidades durante os ataques e que sobreviveram a eles. O nosso personagem é o japonês Tsutomu Yamaguchi.

Yamaguchi é o único dos sobreviventes de ambos os ataques nucleares reconhecido pelo governo japonês, apesar de existirem aproximadamente 60 casos relatados. O nosso personagem havia se deslocado até Hiroshima a negócios e na manhã do dia 6 de agosto de 1945, sofreu o impacto da primeira bomba nuclear. Ele era engenheiro da empresa Mitsubishi e já estava retornando para Nagasaki. Ao chegar na estação de trem, percebeu que não possuía o seu bilhete e teve de retornar ao hotel.

hiroshima

Quando a primeira bomba nuclear explodiu, ele se encontrava a apenas 3 quilômetros do local e sofreu várias queimaduras nos braços e na cabeça, cegueira temporária e seus tímpanos foram perfurados.

Yamaguchi resolveu retornar para Nagasaki para se recuperar e em 9 de agosto de 1945 sofreu o impacto da segunda bomba nuclear, novamente à distância de 3 quilômetros do local no qual o artefato explodiu. Desta vez, devido a sua experiência, Yamaguchi se jogou embaixo de uma mesa para se proteger. Ele dizia que sentiu como se aquele cogumelo tivesse o perseguido.

Como tantos outros sobreviventes de ataques nucleares, Yamaguchi teve sequelas, que não considerou graves em comparação com as de outras pessoas. Perdeu a audição de um ouvido, perdeu os cabelos e pelos de todo o corpo.

Yamaguchi faleceu com 93 anos, em 2010, após padecer de um câncer no estômago. Ele era chamado de hibakusha, que é o termo japonês para denominar aqueles que sobreviveram aos ataques com bombas atômicas em 1945.

Até a próxima!!

Fontes: Japão em Foco, Mega Curioso, The Guardian, The New York Times