5 Bizarrices da Primeira Guerra Mundial

0 Flares Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

 

A história está recheada de relatos de bizarrices e fatos estranhos. O artigo de hoje vai mostrar 5 bizarrices ocorridas durante o período conhecido como Primeira Guerra Mundial.

  1. Companheiras de luta

1594365

Muitas mulheres canadenses não suportaram esperar a volta de seus filhos e maridos e venderam tudo o que tinham e se deslocaram até o Reino Unido ou a França.

O maior problema que tais mulheres encontraram foi retornar até suas casas, pois o governo canadense custeou o retorno apenas de seus soldados;

  1. Trégua de Natal

tregua-natal

No Natal de 2014, vários setores das trincheiras francesas pararam a luta, realizando uma trégua informal entre os exércitos.

Em alguns locais, a confraternização chegou a tal ponto que os exércitos chegaram a organizar um jogo de futebol. Infelizmente, no dia seguinte, tudo iniciou novamente;

  1. Garrafas de Vinho

1359468

Uma prática dos homens que se ocupavam de enterrar os mortos dos dois lados das trincheiras, era colocar alguma marcação, em geral uma cruz, para marcar o local do companheiro caído.

Um fato inusitado ocorreu eu um setor alemão da frente de combate. Em tal local, foram utilizados vários objetos para a marcação, sendo o mais comum as garrafas de vinho vazias. Em pouco tempo, existiam muitas sepulturas com garrafas marcando os locais;

  1. Esposas por correspondência

maori-women

Durante a Primeira Guerra Mundial, muitas mulheres procuravam pretendentes entre os soldados, mas poucos casos foram tão bizarros quanto onde três senhoritas Maoris que publicaram um anúncio nos jornais europeus.

As referidas senhoritas queriam três soldados norte americanos, que tivessem seus cabelos ruivos, deveriam sempre utilizar seus uniformes com ” listras amarelas brilhantes e bonitas” e ainda não poderiam ser homens idosos ou que possuíssem bigodes;

  1. Processamento

6544444441

Um dos boatos e notícias mentirosas mais famosas da época contavam que o exército alemão possuía algumas fábricas que se ocupavam de processar os cadáveres de todos os mortos em batalhas, produzindo sabão e fertilizantes.

Tal boato se originou do processamento de cadáveres de cavalos mortos e acabou fazendo com que parte da sociedade e dos aliados não acreditassem na existência dos campos de morte de Hitler, na Segunda Guerra Mundial.

Até a próxima!!

Fontes: Listverse, Top Ten E,