7 fatos sobre o filme Um Lugar Chamado Notting Hill

download (9)

O filme “Um Lugar Chamado Notting Hill” estreou em 1999 trazendo em seu elenco a atriz Julia Roberts e o ator Hugh Grant, interpretar a famosa Ana Scott e o simples proprietário de uma livraria Will Thacker. Os dois são atores muito queridos e respeitados no gênero das comédias românticas. A história foi tão bem recebida pelo público em geral que se tornou uma das obras favoritas do gênero, ganhando indicações a vários prêmios: três Globos de Ouro, melhor filme, melhor ator, e melhor atriz na categoria comédia romântica.

Assim, diante de tanto sucesso, existem também muitas curiosidades em relação ao filme. Acompanhe agora 7 curiosidades sobre o filme Um Lugar Chamado Notting Hill.

  1. Como surgiu a ideia para o filme?

Passados alguns anos depois do sucesso do filme, o roteirista Richard Curtis revelou como teve a ideia do longa-metragem, ele disse que em uma noite de insônia ficou pensando em como seria uma pessoa qualquer aparecer num jantar entre amigos com uma grande atriz famosa, esse foi o ponto de partida para o filme. A ideia de uma pessoa normal sair com uma pessoa incrivelmente famosa e como isso poderia interferir na vida de todos;

220px-NottingHillRobertsGrant

  1. O que Julia Roberts achou da sinopse?

Inicialmente a atriz Julia Roberts que interpreta a personagem principal Anna Scott não se surpreendeu ao ler o roteiro, admitiu não ter grandes expectativas em relação à história, tempos depois, ao receber o roteiro com mais detalhes, mudou de opinião e viu que a história poderia ser muito interessante e misteriosa ao tratar de vários encontros entre a renomada atriz e o simples dono da livraria;

  1. Julia Roberts interpretando a própria Julia Roberts?

No filme Julia interpreta uma atriz de sucesso, apesar de muitos acharem de que se trata da interpretação dela mesmo, Richard Curtis explicou que segundo a sua ideia, Anna Scott era um misto de Grace Kelly e Audrey Hepburn e revelou que sempre imaginou esse papel sendo interpretado por Julia Roberts, pois segundo ele, a atriz seria a escolha perfeita para o papel;

  1. Frase odiada por Júlia

Em determinada cena do filme, a personagem de Julia Roberts usa uma frase da famosa atriz Rita Hayworth.  Alguém lembra da frase: “eles vão para cama com a Gilda e acordam comigo”??  Atriz revelou que esta frase soava como pregos arranhando um quadro negro e disse que não gosta desta frase;

  1. Quem foi o diretor que recusou o trabalho??

Mike

Inicialmente, o diretor cotado para o filme era Mike Newell. Ele não quis assumir o trabalho porque, segundo ele, já havia feito o seu próprio Notting Hill, fazendo referência ao filme “Quatro Casamentos e um Funeral”.  Mike Newell preferiu dirigir o filme “Alto Controle”, um filme que fala de controladores de tráfego aéreo que infelizmente para o diretor, não fez sucesso.  Que escolha errada de Mike…

  1. A famosa porta azul
Crédito: James Hamil

Crédito: James Hamil

A casa de Will onde foram gravadas várias cenas do filme ficou famosa por conta da porta azul, o imóvel pertencia ao escritor Richard Curtis. Depois do filme ele vendeu a residência e os novos donos pintaram a porta de preto por conta do assédio de muitos fãs. Anos depois, a casa foi vendida novamente e os novos donos optaram por manter a porta azul como apareceu no filme, pintando-a novamente;

  1. A livraria realmente existiu??

280-Westbourne-Park-Road-Notting-Hill

A livraria “The Travel Bookshop”, cenário da gravação de várias cenas do filme, na qual Will trabalhava, realmente existia.  O lugar atraiu milhares de fãs depois do lançamento do filme que iam até a livraria para conhecer o lugar em que foi gravado uma das melhores comédias românticas da década.  A livraria funcionou até 2011.

Até a próxima!!

Veja também: 7 fatos que você deveria conhecer sobre as Linhas de Nazca

7 fatos que você deveria conhecer sobre o Ataque a Pearl Harbor

7 fatos que você deve conhecer sobre O Gladiador

Fontes: Mega Curioso, Adoro Cinema, Minha Série, Globo, Yahoo, Papo de Cinema, People, IMDB, Go Social, Marie Claire