O acidente do melaço de Boston – 1919

  • por

A história que vamos contar hoje parece até não ser verdadeira de tão fantástica, mas ocorreu em 15 de janeiro de 1919, na cidade norte-americana de Boston, quando um tanque onde se armazenava melaço estourou criando uma onda do produto pelas ruas causando prejuízos e mortes. Conheça a história do acidente do melaço de Boston, ocorrido em 1919.

O acidente do melaço de Boston

O melaço é um produto resultante da etapa de centrifugação no processo da fabricação do açúcar, ele é muito utilizado na fabricação de bebidas alcoólicas, fermentos em rações para animais. O acontecimento que estamos narrando teve início na fábrica Purity Distilling Company, quando um tanque de 15 m de altura, com 27 m de diâmetro e capacidade para mais de 8700 metros cúbicos de melaço estourou e lançou uma onda do produto que chegou a altura de 7 m e velocidade de quase 60 km por hora.

Para se ter uma ideia da violência, a onda chegou a quebrar algumas vigas de uma ferrovia elevada que ficava nas proximidades e até mesmo tirou um trem dos trilhos. Militares da Marinha que faziam treinamento nas proximidades foram deslocados para proteger a área. Além disso, foram eles os primeiros a ajudar os feridos até que a Cruz Vermelha e os bombeiros chegassem. No entanto, a viscosidade e a quantidade do material fizeram o trabalho de resgate mais difícil e demorado. Por fim, o saldo final da catástrofe foi de 21 mortos e 150 feridos.

Investigações

Investigações posteriores foram realizadas para tentar explicar o porquê do rompimento do tanque, mas não se chegou a um consenso sobre os motivos da tragédia. Pesquisadores afirmam que alguns fatores podem ter contribuído para ruptura do tanque, entre eles podem ser citados: a montagem inadequada, a elevação da pressão ou até mesmo da temperatura interna do tanque.

Uma das revelações da investigação foi que Arthur Jell, responsável pela supervisão das equipes que construíram o tanque, não realizou os testes de segurança necessários. Além disso, maquiou os defeitos de montagem pintando toda a estrutura de marrom para que não fosse possível ver os locais onde vazava melaço.

No entanto, a empresa, alguns membros da imprensa e algumas pessoas influentes tentaram creditar o desastre aos anarquistas, afirmando que tal grupo teria explodido o tanque já que uma parte do álcool produzido pela empresa era utilizado na fabricação de munições. Outras pessoas, à moda de lenda urbana, afirmaram que a empresa Purity Destiny Company havia enchido o tanque de forma demasiada no final de 1918 com a ideia de que pudesse produzir o máximo de bebida alcoólica antes da proibição da produção de bebidas alcoólicas, a Lei Seca, entrar em vigor. Nenhuma das duas afirmações pôde ser provada.

Pesquisas mais recentes afirmam que a temperatura da cidade na época do acidente foi responsável pelo agravamento da situação. Isso porque o dia estava relativamente quente para época, com 4° C, mas ainda frio para o melaço que se tornou mais viscoso. Essa condição atrapalhou as equipes e prejudicou o resgate das vítimas. Para se ter uma ideia o resgate das vítimas durou 4 longos dias.

Conclusão

Por fim, foi necessário limpar toda a área e a limpeza do local levou meses e mais de 300 pessoas foram empregadas no trabalho. A proprietária do tanque, foi condenada a pagar 600 mil dólares em indenizações, soma que equivale a mais de 12 milhões de dólares atuais. Os herdeiros das vítimas fatais receberam 7 mil dólares, o que equivale a cerca de 140 mil dólares em termos atuais.

Por mais estranho que possa parecer, a população da cidade afirmou por décadas após o acidente do melaço de Boston que nos dias quentes ainda era possível sentir o cheiro de melaço na área em que ocorreu o desastre.

Isso é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Curta nossa nossa página no Facebook para ficar por dentro das nossas postagens!!

Veja também: O dilúvio da cerveja de LondresDerramamento de rejeitos de urânio de Church Rock

* Salvo aquelas que são de domínio público, todos os direitos autorais sobre as obras audiovisuais deste artigo pertencem aos seus proprietários.

Fontes (pesquisa e/ou material audiovisual): Climatologia Geográfica, Jornal Ciência, Magnus Mundi, Zona de Risco, Gen Disasters, History, Tricurioso