Série Biografia – Quem foi Leonardo da Vinci

  • por

Leonardo da Vinci foi um pintor, escultor, inventor, arquiteto, engenheiro militar e desenhista renascentista de suma importância para a história mundial. Podemos dizer que ele possuía uma mente muito curiosa e um intelecto brilhante, que o levaram a procurar conhecimento e inovar em vários campos da atividade humana. Então, tire esse sorriso de Monalisa do rosto e venha conosco conhecer um pouco da biografia de Leonardo da Vinci.

Leonardo da Vinci

Leonardo Di Ser Piero da Vinci era o nome completo desse gênio que nasceu nos dias 14 ou 15 de abril de 1452 na vila de Anchiano, na pequena cidade de Vinci, na Toscana, que na época, pertencia à Republica de Florença. Ele era um filho tido fora do casamento de Messer Piero Fruosino di Antonio da Vinci, que era um rico tabelião da localidade e uma camponesa chamada Caterina. Existem controvérsias sobre o nome correto de sua mãe, de acordo com algumas fontes, ela se chamaria Caterina Buti del Vacca ou de acordo com outras, Caterina di Meo Lippi. A mãe de Leonardo possuía 15 anos quando de seu nascimento e existem teorias que dizem que ela seria estrangeira ou teria passado parte de sua vida como escrava ou ainda, seria uma jovem pobre da vila.

Casa onde nasceu Leonardo da Vinci

Levando esse histórico familiar em conta, podemos dizer que Leonardo não possuía um sobrenome como conhecemos na atualidade. Se considerarmos todo o seu nome, Leonardo Di Ser Piero da Vinci, Podemos traduzir, de forma livre, como: “Leonardo, filho de Ser Piero da localidade de Vinci”.

Leonardo passou seus primeiros 5 anos no vilarejo onde nasceu, vivendo com sua mãe Caterina, em uma infância normal. Contudo, a partir de 1457, passou a viver na casa de seu pai, madrasta, avós e tio, já na cidade de Vinci. Seu pai havia se casado com Albiera Amadori, que não tinha filhos e, talvez por isso, tinha uma ótima e amorosa relação com o jovem Leonardo. Entretanto, ela faleceu ainda muito jovem, em 1465. Ao todo, seu pai casou-se quatro vezes e Leonardo possuía 12 irmãos tidos nos últimos dois matrimônios. O último desses irmãos nasceu quando Leonardo já possuía 40 anos de idade.

Educação

Leonardo da Vinci recebeu uma educação informal em latim, geometria e matemática e outras ciências. Desde muito cedo demonstrou interesse pelas artes e certa vez chegou a atender, a pedido de seu pai, o pedido de um camponês local ao pintar um escudo redondo para ele. A obra, inspirada na história mitológica grega da Medusa, tinha detalhes impressionantes e tão aterrorizantes que seu pai decidiu não entregá-lo ao encomendante. Ao invés disso, comprou um escudo diferente para dar ao camponês e vendeu aquele que Leonardo tinha pintado a um comerciante de arte florentino, que por sua vez o vendeu para o Duque de Milão. Só para exemplificar, a quantia obtida pelo pai de Leonardo pela obra de seu filho corresponderia hoje a mais de 3000 dólares.

Andrea del Verrocchio

Levando em consideração o amor pelas artes, Leonardo decidiu seguir esse caminho e por volta dos 14 anos, iniciou um período de aprendizado com o notável artista Andrea del Verrocchio, em Florença. Um ponto importante da biografia desse mestre de Leonardo é que ele chegou a ser pintor na corte de Lorenzo di Médici, um dos personagens mais influentes daqueles dias.

Com o mestre Andrea, ele aprendeu uma ampla variedade de habilidades técnicas, incluindo artes em couro, metalurgia, ourivesaria, carpintaria, desenho, engenharia, pintura e escultura. Além disso, é importante dizer que na oficina do mestre Andrea também trabalhavam outros mestres do renascentismo como Sandro Botticelli e Filippino Lippi. Que lugar para se estar, não é verdade??

Oficina de Verrochio

O capítulo passado nos anos em que esteve sob a tutela de Andrea del Verrochio merece menção especial, pois moldou o que conhecemos de Leonardo. Após três anos no local, Leonardo se tornou aprendiz e permaneceu em treinamento pelos sete anos seguintes.

Durante o período, ainda colaborou na realização de boa parte da produção de pinturas do ateliê de Verrocchio. De acordo com escritores da época, Leonardo colaborou com Verrocchio em seu quadro “O Batismo de Cristo”, pintando o jovem anjo da esquerda, que segura a túnica de Jesus. Existe uma lenda (pelo menos a maior parte das pessoas acredita que seja apenas uma lenda) de que Leonardo teria pintado de maneira tão espetacular que o seu próprio mestre teria decidido nunca mais pintar em sua vida.

O Batismo de Cristo

Em 1472, com apenas 20 anos, passou a outro patamar na carreira e se qualificou para o cargo de mestre na Guilda de São Lucas. Essa organização reunia grandes artistas, doutores em medicina, comerciantes, amantes da arte e financiadores. Seu nome vem em homenagem a São Lucas, o santo padroeiro dos artistas.

O próprio ateliê

Com a evolução de sua técnica e de sua carreira, o pai de Leonardo resolveu montar um ateliê próprio para o filho. Porém, mesmo já em “carreira solo”, sua ligação com o antigo mestre Verrocchio permaneceu muito forte e Leonardo da Vinci continuou a colaborar em suas obras. Contudo, o nome de Leonardo ficava cada vez mais famoso e aos poucos, as pessoas da corte e outros cidadãos florentinos passaram a fazer encomendas diretamente a ele

Em 1478, após a realização de vários trabalhos pequenos, Leonardo da Vinci recebeu seu primeiro trabalho realmente “grande”: um retábulo em uma capela dentro do Palazzo Vecchio, em Florença. Três anos depois, os monges agostinianos de San Donato a Scopeto, em Florença, encarregaram-no de pintar a obra “Adoração dos Reis Magos”. Contudo, o jovem deixaria a cidade sem concluir nenhuma das duas obras.

Milão

Leonardo foi morar em Milão entre os anos de 1482 e 1499 levado pelo Duque de Milão, Ludovico Sforza. Logo após sua chegada na cidade foi contratado para pintar a obra “Virgem das Rochas” para a Confraria da Imaculada Conceição. O interessante sobre tal obra é que existem duas versões suas: uma que se encontra em exposição no Museu do Louvre, em Paris, a qual se acredita ser a original, e a outra, provavelmente posterior, que se encontra na Galeria Nacional de Londres. Logo depois, recebeu a proposta de pintar a obra “A Última Ceia” para o mosteiro de Santa Maria delle Grazie. O painel ainda se encontra no local que é utilizado como o refeitório do mosteiro.

Ainda na primavera de 1485, Leonardo realizou uma importante  viagem para a Hungria em nome de Sforza para conhecer o rei daquele país e foi contratado por ele para pintar uma Madonna. Logo depois de seu retorno para Milão, foi empregado por Sforza em vários outros projetos: carros alegóricos para os desfiles comemorativos da época, o projeto de um enorme monumento equestre para o antecessor de Sforza, entre outros. Por fim, foi em Milão que desenhou um de seus esboços mais famosos: o “Homem Vitruviano”. A obra mostra uma figura masculina em duas posições sobrepostas, com pernas e braços afastados dentro de um círculo e um quadrado.

Com a deposição do Duque de Milão, no início da Segunda Guerra Italiana, Leonardo da Vinci, seu assistente Salai e um de seus amigos mais próximos, o matemático Luca Paccioli, importante na história das ciências contábeis por ter criado o sistema das partidas dobradas, fugiram da cidade com destino a Veneza. Na cidade dos canais, trabalhou como arquiteto e engenheiro militar e desenvolveu projetos que visavam defender a cidade de ataques navais.

De volta à Florença

Seu período em Veneza foi curto e ele logo retornou para a cidade de Florença. Quando chegou à cidade, foi recebido, pelos monges servitas do mosteiro da Santissima Annunziata, com um ateliê já montado e à sua disposição. Nesse local foi criado o desenho “A Virgem, o Menino, Sant’Ana e São João Batista”. A obra ficou tão famosa que atraía pessoas de locais distantes que vinham até o local apenas para conhecê-la.

Em 1502, foi contratado por outra grande personalidade daqueles tempos: o nobre César Bórgia, filho do papa Alexandre VI. Logo depois, visitou vários estados italianos com seu novo patrão, onde conheceu Nicolau Maquiavel. Ademais, essa viagem serviu para expandir ainda mais seu conhecimento. No ano seguinte recebeu a encomenda de um retrato que se tornaria sua obra mais famosa: “Monalisa”. Devemos lembrar que não se tem certeza absoluta de quem era a modelo que seria retratada no quadro, como falamos no artigo: Qual a identidade de Monalisa??

Nessa época também, foi contratado por Piero Soderini para pintar outra obra no Palazzo Vecchio, no Salone dei Cinquecento: “A Batalha dei Anghiari”. Ao final, a cena pintada mostrava quatro homens cavalgando em cavalos de guerra pela posse de um estandarte, no evento histórico que ficou conhecido como a Batalha de Anghiari, ocorrida em 1440. Esse evento foi único na história pois foi a única vez em que Leonardo da Vinci e Michelangelo trabalharam juntos no mesmo projeto. A pintura de Michelangelo retratou um episódio histórico conhecido como a Batalha de Cascina, ocorrida em 28 de julho de 1364. Infelizmente, Michelangelo não chegou a terminar a sua parte.

Milão novamente

Em 1506, retornou para a cidade de Milão. Ao estabelecer seu ateliê na cidade, passou a receber vários de seus seguidores mais conhecidos, incluindo Marco D’Oggione e Giovanni Antonio Boltraffio. Após um curto período em que teve que retornar à cidade de Florença para resolver problemas legais decorrentes da morte de seu pai, retornou a Milão por solicitação do governador francês Charles d’Amboise, para resolver problemas de trabalhos inconclusos que havia deixado.

No entanto, a vida de Leonardo em Milão parecia estar mesmo a mercê das marés políticas da cidade. Em 1512, após mercenários suíços expulsarem os franceses que ocupavam a cidade desde 1499, Massimiliano Sforza, filho de Ludovico Sforza, seu antigo patrão, ascendeu ao poder. Logo depois, Leonardo ficou novamente sem nenhum contratante.

Os Médici e o Rei Francisco I da França

Mas o desemprego não se manteria por muito tempo já que no ano seguinte foi convidado por Juliano de Médici para viajar para a cidade de Roma, que estava sob o controle de um familiar, João de Lourenço de Médici, o papa Leão X. A partir de então, Leonardo da Vinci passou a desenvolver projetos em Roma e ficou a serviço da família De Médici.

Entre os anos de 1513 a 1516, Leonardo passou a maior parte do tempo morando no Palácio Apostólico, local que abrigava também outros dois artistas importantes da época: Michelangelo e Rafael. Contudo, logo que Francisco I da França retomou o controle sobre Milão, colocou-se a seus serviços e voltou para lá. Nessa época, Leonardo recebeu a encomenda de construir uma figura de um leão, que pudesse caminhar para a frente. Surpreendentemente para a época, a figura deveria abrir seu peito, revelando um ramalhete de lírios.

Nessa época, por ordem de Francisco I, passou a morar no solar de Clos Lucé, nas proximidades da residência do rei. Foi nessa casa que o artista passou seus últimos dias, acompanhado de seu amigo e aprendiz, Francesco Melzi. Ademais, um dos poucos retratos conhecidos de Leonardo foi desenhado por Melzi nessa época.

Morte

Leonardo da Vinci morreu em 2 de maio de 1519, em Clos Lucé. De acordo com alguns historiadores da época, o mestre Leonardo faleceu com o rei segurando sua cabeça em seus braços. Entretanto, muitos contestam tal versão e dizem que se trata de uma romantização criada muitos anos depois. Apesar de diversas controvérsias, tudo indica que Leonardo teria falecido em decorrência de um acidente vascular cerebral.

De acordo com o que pediu em sua manifestação de última vontade, seu cortejo fúnebre deveria ser seguido por sessenta mendigos. Seu aprendiz Melzi foi o principal herdeiro e inventariante de seus bens. Além disso, recebeu todo o dinheiro, os cadernos com desenhos e esboços, todas as ferramentas, a biblioteca e os objetos pessoais do mestre. Salai e seu criado, Battista di Vilussis não foram esquecidos e receberam metade das vinhas de Leonardo cada um. Ademais, a Salai ainda foram dadas as pinturas que acompanhavam o falecido naquela época. Seus familiares receberam as terras que lhe pertenciam. E por fim, sua criada recebeu um manto negro. Seus restos mortais se encontram enterrados na Capela de Saint-Hubert, no Castelo de Amboise.

Isso é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Curta nossa fanpage no Facebook!!

Veja também: Série Biografia – Quem foi Tarsila do Amaral

Fontes: Biography, E Biografia, Brasil Escola, Toda Matéria, Toda Educação, Info Escola, BBC, Leonardo da Vinci, Notable Biographies, History