Giovanni Palatucci, salvador ou não??

Giovanni_Palatucci

O italiano Giovanni Palatucci é muito menos conhecido do que outros célebres salvadores de judeus durante as leis de segregação racial e a instituição da solução final pelo governo nazista alemão em plena Segunda Guerra Mundial, mas historicamente também deu sua contribuição para a salvação de vários perseguidos.

Mas o porquê do nosso título de hoje?? Nos últimos tempos, a imagem de Palatucci sofreu com a revelação de que apesar de ser um salvador de judeus, também teria colaborado para a instituição de um regime de morte.

História oficial
monumento giovani palatucci

Monumento a Giovanni Palatucci

A história diz que Palatucci teria sido chefe de polícia na cidade de Fiúme, que hoje faz parte da Croácia, e com a ocupação da cidade pelos nazistas no ano de 1943 ele teria se apressado em destruir vários arquivos policiais da cidade para livrar os judeus da perseguição que viria.

Depois disso, ele teria sido perseguido pelos nazistas e deportado para o campo de concentração de Dachau, onde morreu no ano de 1945.

Acrecenta-se que Patucci teria ajudado a salvar 5 mil judeus durante o período do holocausto, e devido a sua morte e por ter sido perseguido e injustiçado foi até nomeado mártir pelo papa João Paulo II. Devido ao relato de sua intervenção em uma cura milagrosa que justificou, inclusive, pedido de sua beatificação.

Em 1990, Palatucci recebeu postumamente a maior honraria dedicada àqueles que salvaram judeus durante o período quando o instituto Yad Yashem o declarou como um dos justos entre as nações, ou seja, um não judeu que colaborou pela salvação de pessoas durante o período do holocausto.

A revisão

Mas tudo começou a mudar quando pesquisadores revisaram vários documentos históricos que levavam a conclusão de que Giovanni Palatucci teria colaborado de forma ativa com as leis raciais, principalmente na deportação de muitos judeus para a morte em Auschwitz. As evidências dão conta de mais de 80 % dos judeus que residiam em Fiúme antes da guerra acabaram em Auschwitz.

Ainda, ele nunca chegou a ser o chefe de polícia de Fiúme, na verdade, ele foi comissário dos interesses nazistas na região, sendo muito ativo em suas funções.

daschau

Campo de concentração de Dachau

As novas evidências são de que ele teria sido enviado para o campo de concentração e extermínio de Dachau principalmente por ter sido acusado de ter cometido peculato e traição por ter revelado segredos aos britânicos.

Por outro lado, não foi encontrada nenhuma evidência de que ele teria ajudado algum judeu durante a sua vida, tais evidências somente foram sendo registradas alguns anos depois do final da guerra.

O início da farsa

A farsa em torno do nome de Palatucci começou a se formar por volta de 1952 quando um tio, que era bispo, começou a pressionar o governo da Itália a pagar uma pensão a seus pais.

Depois disso, a sua imagem heroica acabou servindo de formas diversas a vários interesses e foi fomentada por vários setores diferentes. A imagem de um homem que se sacrificou pelo bem dos outros era um dos argumentos mais fortes que se poderia ter naqueles tempos do pós guerra, e associar a sua própria imagem a isso parecia muito bom para todos.

E você o que acha do italiano Giovanni Palatucci?? Ele era realmente um salvador de judeus ou sua contribuição foi exagerada ou ele não fez nada daquilo que ficou famoso por ter feito??

Até a próxima!!

Veja também: E se a Alemanha tivesse vencido a Segunda Guerra Mundial??

Naufrágios de navios brasileiros na Segunda Guerra Mundial

4 casos de coincidências impressionantes

Fontes: New York Times, Times Of Israel, CBC, NPR