O que foi o New Deal??

  • por

O ano de 1929 trouxe uma das maiores crises econômicas da história mundial e é lembrada até hoje como: “O Crash da Bolsa de Valores de Nova Iorque” ou “A Grande Depressão”. De fato, muitas de suas consequências se estenderam por muitos anos e marcaram o século XX. Contudo, o assunto sobre o qual vamos falar hoje é posterior a esse evento histórico. Então, conheça um pouco sobre o New Deal, suas características e consequências.

New Deal

O início da década de 1930 grande parte do mundo capitalista sofreu de uma pobreza sem precedentes e o número de pessoas desempregadas e famintas aumentava de forma exponencial. Nos Estados Unidos isso era sentido de forma mais forte e o governo decidiu que era necessário reagir de forma rápida, aí surgiu a ideia do “New Deal”, traduzido para o português como: “o novo acordo”.

O New Deal foi um conjunto de medidas tomadas pelo governo do presidente Franklin Delano Roosevelt a partir de 1933 e tinha o objetivo de recuperar a economia dos Estados Unidos da crise que já se estendia desde o final da década de 20.

Ações planejadas

O plano governamental era composto por várias frentes:

  • Realizar um investimento de grande monta em obras públicas de diversos tipos: o governo investiu, na época, mais de 4 bilhões de dólares, os principais tipos de construções realizadas foram escolas, usinas hidrelétricas, pontes, hospitais, aeroportos. O plano de Roosevelt era gerar uma grande quantidade de novos empregos, tanto diretos, nas obras, quanto indiretamente, pela circulação de dinheiro;
  • Controlar de maneira firme os bancos e instituições financeiras e econômicas com a intenção de evitar o abuso de taxas de juros e a especulação;
  • Utilizar o poderio governamental para  incentivar a criação de entidades sindicais que serviriam para aumentar o poder de negociação dos trabalhadores e facilitar a defesa dos novos direitos instituídos;
  • Criar o salário mínimo no território norte americano, a lei de seguro-desemprego e uma espécie de seguro-aposentadoria;
  • Controlar os preços de vários produtos e as quantidades produzidas, para evitar a superprodução e com isso a redução dos preços;
  • Destruir os estoques de produtos agrícolas com o propósito de conter a queda de seus preços ou recuperar um pouco do seu valor;
  • Criar linhas de subsídios, empréstimos e outras medidas voltadas a aumentar a atividade agrícola e aumentar o número de empregados nessas atividades;
  • Intervir na jornada de trabalho, reduzindo a sua duração, com o intuito de abrir novos postos de trabalho;

As ideias que basearam o New Deal foram, em parte, retiradas dos pensamentos do economista britânico John Maynard Keynes. Ele defendia que deveria haver interferência do estado na economia com o objetivo de garantir o bem-estar social e o crescimento econômico, ou seja, que o governo seria parte ativa dos esforços da sociedade. Esse pensamento passou para a história como o Keynesianismo.

Críticas

Várias dessas políticas eram inéditas na época e sofreram duras críticas de vários setores, principalmente liberais, que acreditavam que o plano ambicioso não daria certo. Apesar de dúvidas sobre a efetividade dessas medidas, vários outros países executaram medidas semelhantes àquelas idealizadas nos Estados Unidos com o intuito de acelerar suas economias. Segundo historiadores, o que mais conseguiu êxito foi a Alemanha, sob o comando de Hjalmar Schacht com um programa robusto de realização de obras públicas. Algumas lendas da época diziam até que o governo contratava uma frente de trabalho em um dia para abrir um grande buraco de forma manual, para no dia seguinte, outra frente de trabalho ir até o mesmo local para fechá-lo.

Outro local onde as novas políticas encontraram resistência foi na Suprema Corte dos Estados Unidos. As decisões foram desfavoráveis às teses e ações do New Deal em várias ocasiões. Com isso, Roosevelt anunciou seu projeto de aumentar o número de juízes de 9 para 15. Assim sendo, possibilitaria a sua vitória nas questões judiciais que chegassem àquela corte. Contudo, já na ação seguinte a corte decidiu em favor do New Deal no episódio conhecido como: “The switch in time that saved nine” ou em português: “A mudança a tempo de salvar os nove”. A partir desse novo “entendimento” da corte, a ideia de Roosevelt sobre a reforma foi abandonada,

Efeitos

Dois anos após sua implementação, as medidas já surtiram algum efeito sobre a economia, houve diminuição do desemprego e aumento na renda dos trabalhadores. Entretanto, a oposição ao programa fez com que as medidas governamentais fossem gradativamente reduzidas a partir de 1937. Isso ocorreu pois os seus detratores alegavam que os gastos públicos e as renúncias fiscais estavam aumentando a dívida pública.

Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial e a posterior entrada dos Estados Unidos no conflito, a economia do país retornou ao patamar anterior de produção e com níveis de emprego mais altos do que antes da crise

Apesar de não ser mais oficialmente mantido, as ações do New Deal continuaram a ser pontualmente executadas nos Estados Unidos e outros países. Contudo, ainda são, como foram na época, criticadas por aumentarem o gasto público.

Isso é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Curta nossa fanpage no Facebook!!

Veja também: A história da mulheres na Guerra do Paraguai

Fontes: Sua Pesquisa, History, Info Escola, The Great Depression