Epidemia de riso de Tanganica

  • por

Vários casos bizarros de histeria coletiva foram registrados na nossa história, um dos mais interessantes ocorreu em Tanganica em 1962, e não foi qualquer histeria coletiva não, foi uma epidemia de riso. Então, respire fundo, pare de rir e venha conhecer essa história conosco.

A epidemia de risos

Os registros históricos dizem que esse caso ocorreu nas proximidades de uma aldeia chamada Kashasha na antiga Tanganica, hoje território de Tanzânia, na África e atingiu aproximadamente mil pessoas, a maioria delas jovens estudantes, causando o fechamento de um total de 14 escolas.

Toda a história se iniciou em 30 de janeiro de 1962 em um internato administrado por uma missão para meninas na aldeia de Kashasha. O riso começou com três estudantes e se espalhou ao acaso por toda a escola, afetando 95 das 159 alunas. A escola foi forçada a fechar em 18 de março de 1962.

Os sintomas duraram de algumas horas a 16 dias nos afetados e se espalhou com as meninas que voltaram às suas casas, atingindo principalmente os jovens de toda a região. Após dois anos e meio, a epidemia desapareceu quase da mesma forma que se iniciou.

A forma escolhida pelo governo local para tentar debelar as ondas de risos foi a de decretar quarentena nas vilas atingidas pelo riso enquanto houvesse pelo menos uma pessoa gargalhando compulsivamente.

Após o encerramento da epidemia, pesquisadores passaram a teorizar que o evento deveu-se a uma crise de stress ao qual as alunas estavam submetidas. De acordo com tais pesquisadores, a válvula de escape encontrada por tais estudantes foi o riso frenético. Contudo, essa conclusão ainda é contestada por muitos daqueles que estudaram esse evento histórico

Alguns dos contaminados chegaram a repetir por quatro vezes as crises de riso. Ademais, as crises ainda incluíam desmaios, erupções cutâneas, ataques de gritos e crises de dor.

Isso é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Curta nossa fanpage no Facebook!!

Veja também: 7 benefícios da maçã para a sua saúde

Fontes: Mega Curioso, Folha de São Paulo, Resumo, Atlas Obscura