Como foi a tragédia do Hindenburg

  • por

 

O dirigível Hindenburg, ou como era conhecido, Luftschiffahrts Zeppelin 129 Hindenburg, foi o maior objeto voador já construído pelas mãos humanas, não sendo superado até os dias de hoje, mas o seu destino final e a tragédia que ocorreu com ele, permanece até os dias de hoje como um dos mais surpreendentes acidentes aéreos da história.

A tragédia do Hindenburg

Na verdade, na época do Hindenburg, as viagens transatlânticas eram realizadas apenas por aviadores aventureiros, por navios que demoravam vários dias para a travessia ou por dirigíveis que cruzavam o Oceano Atlântico em metade do tempo. O acidente que destruiu o Hindenburg foi tão importante que acabou por ser uma das causas que sepultaram a indústria dos dirigíveis a partir de então.

No dia 6 de maio de 1937 quando chegava à cidade de Nova Iorque, proveniente de Hamburgo, sofreu um incêndio que o consumiu em segundos. A tragédia matou 35 de seus 97 ocupantes. O incêndio foi proveniente de uma fagulha gerada quando da soltura de suas amarras. Tais fagulhas entraram em contato com o tecido de algodão que formava o invólucro do aparelho ou com o hidrogênio que era utilizado para inflá-lo.

A empresa que operava o Hindenburg utilizava o hidrogênio em seus aparelhos pois o hélio era mais caro e seu uso tornaria a empresa dependente dos Estados Unidos e utilizava no algodão do invólucro, alguns produtos altamente inflamáveis que fizeram o fogo se propagar de forma mais rápida ainda.

Cinco equipes de jornalistas estavam noticiando a chegada do Hindenburg, que mesmo não sendo a primeira, sempre chamava a atenção das pessoas. E noticiaram em primeira mão o que viam, aumentando ainda mais o nível de comoção das pessoas.

Sabotagem??

Mesmo passados quase 80 anos dessa tragédia, ainda existem pessoas que dizem que na verdade o incêndio do Hindenburg foi uma sabotagem. Como foi levantado na época, tal sabotagem teria sido efetuada pelos Estados Unidos, devido ao avanço tecnológico demonstrado pelos alemães nessa área. Além disso, haviam as demonstrações de superioridade que eram realizadas pela propaganda nazista com os dirigíveis, que possuíam as imagens de duas enormes suásticas.

Contudo, essas afirmações permaneceram apenas no terreno das especulações e até hoje a versão que prospera é a de que as fagulhas provenientes da eletricidade estática iniciaram o fogo ao entrarem em contato com um vazamento de hidrogênio. Existem relatos de um brasileiro, José Procópio Filho, que viu fagulhas nos motores do Hindenburg quando chegava ao Rio de Janeiro tempos antes da tragédia. A princípio, mesmo estando no final de uma viagem que transcorreu sem incidentes, José temeu por uma tragédia, que felizmente não aconteceu.

Isto é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Veja também: Derramamento de rejeitos de urânio de Church Rock

Curta nossa fanpage no Facebook!!

Fontes: Airships, History, DW, Revista Galileu, Terra, Histatual