Vlad III, o “Drácula” da vida real

  • por

Por certo, todos concordamos que “Drácula” é uma das histórias mais conhecidas da literatura mundial. Ela foi escrita por Bram Stoker em 1897 e narra a história daquele que viria a ser um vampiro: o Conde Drácula. Mas você sabe que ele foi baseado em uma figura real, que durante sua vida foi pior do que o Drácula da ficção?? Então, pegue a sua estaca e um punhado de alho e venha conosco para conhecer a história de Vlad III, o “Drácula” da vida real.

Drácula, pior na vida real

Vlad III, também conhecido como “Vlad, o empalador” foi um príncipe da região conhecida como a Valáquia, durante o século 15. Ele ficou conhecido pela brutalidade com a qual tratava seus desafetos e adversários.

O Drácula de verdade não se alimentava de sangue humano como o da ficção, mas durante o período em que lutou contra o império otomano, que tentava invadir a Valáquia, empalou milhares de seus inimigos. Sua brutalidade ficou tão famosa que percorreu toda a Europa daqueles dias.

A invasão otomana à valáquia

Mas para entender Vlad III, temos que entender a invasão otomana à Valáquia. Pois bem, durante o século XV, o sultão otomano “Maomé II, o conquistador”, tinha intenção de fazer com que a Valáquia passasse a pagar tributos ao Império Otomano. Contudo, sua pretensão encontrou dificuldades na figura de Vlad III que na época era o príncipe da região. Todos os emissários enviados pelo sultão foram sendo sucessivamente capturados e empalados, colocados no caminho para sinalizar que aquelas terras não aceitariam as condições impostas a ela.

Cansado da chantagem dos otomanos, Vlad resolveu atacar o território do sultão em fevereiro de 1462, e por onde passou levou um massacre quase sem precedentes, matando milhares de turcos e búlgaros. O sultão, por outro lado, tinha a intenção de substituir o príncipe Vlad III pelo seu irmão mais novo, Radu, e por isso atacou território da Valáquia. Mas as coisas não foram tão boas para o sultão, que quase foi capturado por Vlad e teve de fugir retornando para o território otomano.

Perdendo o trono

Em 1462, Vlad III enfrentou grande oposição dos cidadãos da Valáquia, que apoiavam seu irmão para o trono. Então, ele buscou exílio no território da Transilvânia, mas lá foi capturado e tornou-se prisioneiro do rei Matias I, da Hungria. Ficou em cativeiro até 1475, quando foi libertado a pedido do rei Estevão III da Moldávia. Logo após, lutou no exército húngaro contra os otomanos no território que é hoje conhecido como a Bósnia.

No ano seguinte, voltou para Valáquia e expulsou Bassarabe III, um usurpador do trono, e retornou o comando do reino até sua morte no final do mesmo ano, quando foi morto em uma batalha contra o exército otomano.

A sua morte por si só já é cercada de muito mistério. De acordo com alguns historiadores, devido à confusão existente no campo de batalha as versões são conflitantes. Alguns pesquisadores defendem que ele teria sido morto por burgueses valáquios contrários à ele no momento em que estava prestes a vencer a batalha. Por outro lado, outros defendem que na verdade ele teria sido morto por acidente pelos seus próprios soldados.

O corpo do Drácula real foi decapitado pelos soldados turcos e a sua cabeça foi enviada ao sultão na cidade de Constantinopla onde foi exibida como um troféu de guerra no palácio Real.

A lenda além do homem

Durante os períodos em que reinou como soberano na Valáquia ou mesmo após ter sido destronado, enquanto estava preso, várias histórias nas quais se contavam feitos terríveis por parte dele circularam por toda a Europa.

A sua crueldade com os inimigos era notória e real, mas existem indícios que teria sido aumentada pelas histórias que passaram de boca em boca. Sua prática de assistir os empalamentos enquanto se alimentava não ajudou sua fama e levou muitas pessoas a crerem que ele bebia o sangue dos inimigos enquanto eles morreram.

Cifras enormes começaram a ser divulgadas com quantidades diferentes de pessoas que teriam sido mortas ou empaladas por Vlad III. Alguns números chegavam a dizer que mais de 100 mil pessoas morreram empaladas a mando dele.

Os feitos extremos de Vlad III inspiraram, em 1897, o livro escrito pelo irlandês Bram Stoker, no qual era narrada a história de um vampiro morador da Transilvânia. Logo após o lançamento, se tornou a mais famosa obra sobre vampiros da literatura.

Isso é tudo por hoje e assim sendo, até a próxima!!

Curta nossa fanpage no Facebook!!

Veja também: Quem foi Grigori Rasputin??Quem foi o padre dos balões??

Fontes: Superinteressante, Fatos Desconhecidos, Curto e Curioso, 360 Meridianos, O Globo, O Aprendiz Verde